Club de
Ijuí

Fala, Companheiro: Presidente de Imagem Pública do Distrito 4660 conta como foi sua história dentro da família rotária

Postado em: 03 de Fevereiro de 2019

Desenvolver uma atividade de forma voluntária é antes de tudo um amor consigo mesmo, sim é isso mesmo, um ato de amor que mostra que você está pronto para destinar ao próximo um pouco do que você  tem.

 

Quando eu comecei a minha vida nesse meio de doar ao próximo aquilo que eu tinha de bom, passei a entender o real sentido da felicidade, comecei a me amar mais e ser mais feliz. No ano de 2015 chutei o balde e mudei de  curso, queria novos desafios e um deles foi entrar para a família rotária e ser a primeira protocolo e associada fundadora de clube de Rotaract ( ser a voz que representa um clube não é tão simples) mas a vida seguiu e me apaixonei por viver o universo que estava inserida.

De protocolo ao cargo de presidente foi um pulo e vários desafios apareceram no meu caminho, mas no final deu tudo certo. Deu vontade de desistir? Claro que sim, mas naquele momento a resiliência em saber que existia algo bom me esperando fez eu continuar. Foi uma gestão pesada como presidente e muito gente falando que não ia dar certo, ali aprendi uma coisa:  Pessoas tentam te colocar no chão, acham todos os defeitos e não qualidade.

Eu pensei “ sempre me virei desde cedo, eu trabalho estudo e não tenho ninguém servindo de escora na minha vida, eu dona do meu caminho” e funcionou! Em 2016 entrei na Equipe Distrital do Rotaract e  para o Rotary em 2017 quando me tornei mães de jovens (Interact), sendo conselheira deles e vendo como existem jovens capacitados e determinados (me perdoem mas meu Interact Club de Santa Maria Dores é sensacional). Me tornei uma pessoa  realizada, feliz pois hoje sou Caroline Dalcin que não se importa em ser uma menina ‘padrão’, se tem gostos diferentes. Me importo em dar o melhor sempre, ser alguém capaz de contribuir para o futuro dos companheiros e principalmente sem perder o foco do que quero para minha vida. E quando alguns me perguntam como isso aconteceu? Planejamento e trabalho duro! Nada cai do céu além de chuva e granizo.

Sem essa conversa de “ não tenho tempo, isso é coisa de rico, queria mudar minha sociedade e não tenho as condições para ajudar” Tudo isso é história, quando tu quer dá sim, quando tu quer tu achas tempo, quando tu quer mesmo poderás mais ser teu máximo.

Um conselho que eu deixo é que todos possam doar um pouco do seu tempo para o outro, entender que as vezes as pessoas não estão naquela situação complicada por ser falta de esforço, as vezes elas só precisam de alguém para dar o impulso, impulso que pode mudar uma vida.  

Reuniões Terças-Feiras | 20:00
Casa da Amizade,35